O Castelo de Lamego

Conheça a descrição mais detalhada dos aspectos relativos à intervenção no Castelo de Lamego.


Ler mais...

O Eixo Barroco

Consulte aqui todos os aspectos relativos à intervenção no Eixo Barroco.

Ler mais...

Agenda do Castelo

Consulte a agenda de actividades e eventos culturais no Bairro do Castelo.


Ler mais...



Viver Lamego - Sumário Executivo

 


Mais especificamente, a área de intervenção ocupa cerca de 517 410 m2, sendo limitada a Norte pela EN 1075, Rua de Fafel, Rua do Columela, Rua de Almacave, Rua da Olaria e Praça do Comércio, a Este pela Avenida do Regimento de Infantaria n.º 9, a Sul pela Avenida Visconde Guedes Teixeira, Rua Dr. Alfredo Sousa e pela Mata dos Remédios, que delimita também a área de intervenção a Oeste.

 

 O Centro Histórico apresenta, no seu interior, áreas com características homogéneas próprias, designadamente:

 

  • O Bairro do Castelo, que inclui a área no interior das muralhas ou cerca medieval e as ruas adjacentes, como a Rua da Olaria, Rua de Almacave e Praça do Comércio;
  • A Avenida Visconde Guedes Teixeira, a Rua Dr. Alfredo Sousa e o Largo da Feira, designados, em conjunto, por Eixo Barroco, que constitui a principal zona comercial da cidade e onde se situam um número significativo de serviços e equipamentos públicos;
  • O Santuário e Mata dos Remédios, o “cartão-postal” de Lamego, que é o eixo estruturante e organizador do tecido urbano da cidade;
  • A zona adjacente à Mata, integrando as margens do rio Coura (identificado a castanho claro na Figura 16), uma zona actualmente degradada, que iremos designar por Parque Urbano, uma vez que é esse o uso planeado para esta zona.


Estas áreas, denominadas Unidades Operativas de Reabilitação (UOR), mereceram a definição de projectos específicos, sendo elas:

  • UOR A: Bairro do Castelo;
  • UOR B: Eixo Barroco;
  • UOR C: Santuário e Mata dos Remédios;
  • UOR D: Parque Urbano.

O Centro Histórico de Lamego é uma área de excelência urbana, que integra monumentos, equipamentos administrativos, culturais, espaços públicos de estar e de vivência colectiva, fundamentais para a vida da cidade. No entanto, apresenta claramente os efeitos acumulados de fenómenos de degradação física, de vulnerabilidade social e de fragilidade económica, que dificultam a inversão das tendências instaladas.
Consciente que a intervenção de regeneração urbana terá de ser um processo complexo e integrado que combine objectivos de regeneração física, com objectivos socioeconómicos, a Câmara Municipal de Lamego montou uma estratégia integrada de intervenção que desencadeou o desenvolvimento do Programa de Acção apresentado nesta candidatura, que combina acções heterogéneas mas coerentes em toda a área de intervenção.
A base desta estratégia é a visão definida para o Centro Histórico. A visão constitui o quadro de referência estratégico que confere sentido às intervenções de regeneração urbana. Representa, ainda, um cenário prospectivo, de longo prazo, em que se devem integrar as iniciativas. Pretende-se também que a visão forneça pistas sobre o caminho a percorrer e que provoque reflexões sobre a estratégia. Deste modo, a visão proposta para o Centro Histórico de Lamego é a seguinte:

O Centro Histórico de Lamego será um território com elevado valor patrimonial e qualidade urbana, contribuindo para o aumento da qualidade de vida dos seus habitantes e
para a afirmação de Lamego como Cidade do Património Cultural e Arquitectónico.
Neste caso, contém orientações sobre os factores de qualificação, de atractividade e de relacionamento do Centro Histórico de Lamego com a envolvente. Pretendeu-se que a visão integrasse sobretudo dois planos distintos mas complementares:

  • por um lado, a questão do aumento da qualidade de vida da população local e da qualificação das suas vivências, nas suas diferentes vertentes (cultural, social, económica, ambiental, ...);
  • por outro, o reforço da atractividade e da visibilidade externa, tirando partido do seu património e das características específicas do território em questão, contribuindo desta forma para a instalação de actividades económicas diferenciadas, nomeadamente relacionadas com a actividade turística, e para a fixação de população.


De acordo com os objectivos do programa e com o diagnóstico efectuado, a visão definida encontra-se apoiada nos seguintes objectivos estratégicos:

O1. Proteger e valorizar o património histórico e cultural do Centro Histórico:
O Centro Histórico de Lamego verá o seu património valorizado, constituindo-se como um dos motores da visibilidade e atractividade do Concelho, assim como da qualificação das vivências da população local;

O2. Melhorar o ambiente urbano e qualificar o espaço público do Centro Histórico:
O Centro Histórico de Lamego será um território com elevada qualidade urbana e ambiental, contribuindo para a fixação da população;

O3. Promover a qualificação e instalação de actividades económicas no Centro Histórico:
O Centro Histórico de Lamego será um território onde serão desenvolvidas novas oportunidades de qualificação e de auto-emprego, em que se privilegia a exploração das artes e ofícios tradicionais;

O4. Promover o desenvolvimento de um Centro Histórico inclusivo e integrador:
O Centro Histórico de Lamego será um território de sociabilidade e comunidade, em que a sua população terá um elevado sentimento de pertença, de auto-estima e de identificação com o local, numa lógica de completa integração na Cidade de
Lamego.

Note-se que estes objectivos estratégicos se encontram plenamente enquadrados na estratégia global para o Concelho amadurecida pela Câmara Municipal, de enfoque no turismo e na promoção da qualidade de vida da população local.
A materialização do Programa de Acção assentou na definição de uma carteira de projectos âncora e mobilizadores.
Procurou-se que, na sua globalidade, os projectos respondessem da melhor forma aos objectivos estratégicos.


  

  




WebDesign: blueweb.pt